Seguidores

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Cerimônia de Investidura do Grão Priorado do Brasil


Realizou-se ontem, quinta-feira dia 30 de agosto, a Solene Missa de Investidura da Ordem Militar e Hospitalar de São Lázaro de Jerusalém, no Grão Priorado do Brasil.


A Solene Missa, Celebrada pelo Arcebispo da Eparquia Nossa Senhora do Paraíso, Dom Farès Maakaroun, Capelão Nacional da Ordem Militar e Hospitalar de São Lázaro de Jerusalém, contou com a presença de numerosos Membros da Ordem de São Lázaro, e de grande número de fiéis.


Salientamos que Dom Farès é de nacionalidade libanesa, formado em Seminário na Terra Santa, sendo profundo conhecedor da história de nossa Ordem, tendo visitado inúmeros vezes a cidade de Betânia, onde Nosso Senhor ressuscitou o nosso Padroeiro São Lázaro.


Foram Investidos nomes da elite da medicina, judiciário e da sociedade paulistana. A lista completa com o nome dos novos Confrades da Ordem de São Lázaro, bem como os postos a que foram admitidos estará disponível em breve.


Para lembrar os deveres da Ordem de Cavalaria para com os hansenianos, a Solene Investidura contou com a presença da Sra. Sandra Ferraz, Professora Universitária e Coordenadora do Programa de Hanseníase em Posto de Saúde na Cidade de São Paulo, da Sra. Leide Masson, ex-interna de antiga Colônia Leprosário e Militante da causa em Prol dos pacientes de hanseníase, bem como dos sequelados desta doença, juntamente com a Dra. Akiko, Advogada que defende as causas jurídicas de ex-pacientes desta doença.


Salientamos apenas a Investidura ao posto de Capelão da Ordem do Monsenhor João Carlos Teodoro, da Igreja Católica Greco-Melquita. Nesta mesma Missa foi Conferido o posto de Cavaleiro da Grã Cruz de Justiça ao Conde Andre Galli della Loggia, mais alto Grau desta Ordem de Cavalaria.



Após a Solenidade um grande número de Membros da Ordem, acompanhados de suas famílias e convidados, seguiram para o tradicional jantar beneficente do Grão Priorado do Brasil, realizado no Restaurante RUBAYAT, tradicional endereço da sociedade paulistana. 




quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Nos tempos do Duque de Nemours


Muito pouco se menciona o Grão Magistério do Príncipe Carlos Filipe de Orléans, Duque de Nemours, e este fato pode ser verificado, tanto pela curta duração deste reinado, como pelo fato de ter sido o único Orléans a ter conseguido ser Eleito Príncipe e Grão Mestre da Ordem Militar e Hospitalar de São Lázaro de Jerusalém.

Após a morte, em 1952, do Príncipe Dom Francisco de Bourbon, IV Duque de Sevilha, que foi Grão Mestre da Ordem de São Lázaro com o nome de Francisco IV, seu filho, o Príncipe Francisco de Bourbon e de Bourbon, Príncipe de Sangue da França, foi Eleito Grão Mestre, e reinou com o nome de Francisco V.

Francisco V tinha por profissão a de Tenente Coronel de Cavalaria do Exército Espanhol, de modo que não poderia dedicar-se completamente aos assuntos ligados à Ordem. Decidiu então o Grão Mestre nomear um Administrador Geral para a Ordem. O escolhido foi o Grão Prior da França, Sua Excelência Pierre Timoléon de Cossé, XII Duque de Brissac, que passou a governar a Ordem em 1956.

Brasão do Duque de Brissac como Administrador Geral da Ordem

Um novo impulso tomou a Ordem nestes primeiros anos: a Administração foi definitivamente transferida para a França, e novos Grão Priorados foram criados, como na Escócia, Inglaterra, Irlanda, Canadá, Suécia, Portugal e Hungria. Neste mesmo período a Ordem de São Lázaro voltou a sua tradição secular, recuperando as Comendadorias de Boigny, na França, de Burton Lazer, na Inglaterra, de Linilithgow, na Escócia e de Seedorf e Gfenn, na Suíça. Em 1967 o Conselho Geral da Ordem transferiu definitivamente a Sede Magistral da Ordem da cidade de Madri, na Espanha, para o Castelo de Boigny, Sede do Grão Magistério da Ordem dês do século XIII.

Porém não demorou muito para que o Grão Mestre e o Administrador Geral se desentendessem seriamente, levando o Duque de Brissac a acusar o Príncipe Espanhol do abandono da Ordem. Para dirimir o conflito, fora reunido um Capítulo Geral, que terminou por Eleger um novo Grão Mestre, na pessoa de Sua Alteza o Príncipe Charles Filippe d'Orléans, Duque de Nemours.


Capítulo Geral em Boigny, onde fora Eleito o Duque de Nemours
(Clique para ampliar)

O Duque de Nemours havia nascido na França, em 1905, no Castelo de Neuilly-sur-Seine. Filho do Príncipe Manuel de Orléans, Duque de Vendôme, e da Princesa Enriqueta da Bélgica, teve três irmãs maiores, as Princesas de Orléans Maria Luísa, Sophia e Genoveva. O Duque de Orléans, Chefe da Casa de Orléans, ramo cadete da Casa de Bourbon que é a Casa Real da França, foi escolhido para ser seu padrinho, porém como era proibido de pisar o solo francês, foi representado no Batizado pelo Duque de Alençon, sendo a madrinha a avó, Condessa de Flandres. Recebeu a Primeira Comunhão das mãos do Santo Padre o Papa Pio X.

Educado na Inglaterra, o jovem príncipe era um amante da cultura britânica, do constitucionalismo inglês e do progresso dos EUA. O príncipe que era alcoólatra dês de curta idade, conheceu em uma de suas viagens a Nova York em 1926 a americana Margaret Watson, seis anos mais velha que ele, que por ser filha de um casal de atletas, havia se tornado uma moça de boas relações dentro da alta sociedade nova iorquina. Era conhecida até então por já ter sido noiva de Angier Biddle Duke e de Reginald Vanderbilt. 


O jovem Duque de Nemours

O jovem Duque de Nemours apaixonou-se perdidamente pela mulher belíssima e sorridente, e passaram a viver em pecado, ao passo que a Casa de Orléans pronunciou-se contra ela, lhe atribuindo o alcoolismo de ambos. Os Orléans passaram a vê-la como uma caça-fortunas sem escrúpulos, uma alcoólatra imoral e dissoluta, fatos que não correspondiam a realidade, pois apesar da jovem ser realmente frívola e superficial, amava verdadeiramente o Duque de Nemours, e sempre se comportou com a dignidade exigida da Nobreza para uma princesa.

Para tentar evitar maiores falatórios, o casal uniu-se em Matrimônio em uma cerimônia civil, em Paris, logo seguida por uma Cerimônia Religiosa, na Igreja de St. Pierre de Neuilly, em 25 de setembro de 1928. Nenhum membro da Casa Principesca de Orléans compareceu, e os pais do noivo tentaram em vão que a Santa Sé anulasse o casamento.

Brasão d'Armas do Duque de Nemours, como 46o Príncipe e Grão Mestre da
Ordem Militar e Hospitalar de São Lázaro de Jerusalém, d'Aquém e d'Além Mar.

Admitido em Madri como Cavaleiro da Grã Cruz de Justiça da Ordem Militar e Hospitalar de São Lázaro de Jerusalém em 1941, já era então Bailio da Grã Cruz de Honra e Devoção da Soberana Ordem de São João de Jerusalém, Rodes e de Malta. Foi também Cavaleiro da Grã Cruz de Justiça da Ordem Equestre do Santo Sepulcro de Jerusalém, além de ser Cavaleiro Grã Cruz de Justiça da Sacra Ordem Constantiniana de são Jorge, do Reino das Duas Sicílias.

Nemours viu-se endividado, após aplicar uma grande fortuna em um negócio de criação de gado em Rabat, o que forçou a mãe, a Duquesa de Vendôme e se desfazer de mais da metade dos seus bens, inclusivo do mundialmente famoso Castelo de São Miguel de Cannes, para com isso, solver as dívidas do único filho. Durante a II Guerra Mundial, tentou em vão juntar-se ao Exército Livre Francês, mas não foi aceito. Fora então duas vezes preso pelos alemães por atividades anti-nazistas.

Sua Alteza o Duque de Nemours e sua juventude.

Após o fim da Guerra dos Duques de Nemours passaram a viver em seu apartamento nos Campos Elísios, na Rua Chateubriand em Birritz e na Residência da Família em Magdalena, em Tânger. O único contato que tinha com o Duque de Orléans, que então já usava o título de "Conde de Paris" era um cartão de felicitações, enviado uma vez ao ano.

Com o auxílio da esposa, o Duque de Nemours pode abandonar de vez o vício do alcoolismo, de modo que pôde aceitar dignamente a sua Eleição como o 46º Príncipe e Grão Mestre da Ordem Militar e Hospitalar de São Lázaro de Jerusalém. 


O Duque de Nemours como Grão Mestre da Ordem de São Lázaro.

Em seu reinado foram codificadas as Leis da Ordem, bem como os Estatutos e escritos os Costumes e Tradições. Ao nomear como Grão Referendário da Ordem o Coronel Britânico Gayre de Gayre e Nigg, no lugar do Marquês de Cárdenas de Montehermoso, o Duque de Nemours teve de enfrentar a ira do Duque de Brissac, que correu a reunir novo Capítulo Geral para o depor.

Para evitar a injusta deposição, o Duque de Nemours mudou a Sede do Grande Magistério do Castelo de Boigny, para a Ilha de Malta, onde o Coronel Gayre possuía grande influência. Nascia assim a divisão da Ordem em dois Ramos, um em Malta, tendo por Grão Mestre o Duque de Nemours, e outro em Paris, tendo como Grão Mestre o Duque de Brissac. Na Espanha o Grão Mestre Emérito Francisco V continuava a governar de maneira plenamente autônoma o Grão Priorado espanhol, e neste curto período, a Ordem teve efetivamente três Grão Mestres, cada um governado parte das jurisdições nacionais.

O Duque de Nemours faleceu repentinamente em Paris, em 10 de março de 1970. O seu sobrinho, o Príncipe Miguel de Orléans havia sido designado Coadjutor do Grão Magistério, e passou a Governar a Ordem até que outro fosse Eleito para ocupar o posto de Grão Mestre.

Em Paris o Duque de Brissac foi Eleito para suceder o Duque de Nemours, e em Malta fora Eleito o antigo Grão Mestre Francisco V, filho do falecido Francisco IV. O Funeral do Duque de Nemours se deu em Neuilly, sendo assistido por Sua Majestade o Rei Humberto II da Itália, pelo Príncipe Miguel de Orléans, pela Princesa Isabel de Orléans, a Condessa de Witt, entre tantos outros membros da mais ilustre Nobreza européia. 

A viúva Duquesa de Nemours faleceu em Bayona em 27 de dezembro de 1993, sendo sepultada ao lado do marido, no antigo túmulo da Princesa Isabel de Bragança e Bourbon, Imperadora de Iuri do Brasil, conhecida como Mausoléu dos Condes d'Eu, pois os restos mortais da Princesa haviam anos antes sido transladados ao Brasil.     

sábado, 25 de agosto de 2012

Perseguição a Cristãos na Síria



A Síria está vivendo dias de uma grande crise política, onde a população civil busca derrubar o regime ditatorial que há décadas governa o país. Porém uma crise muito maior assola o país: nestes dias de violência, os muçulmanos estão valendo-se do período de instabilidade, para perseguir e matar os cristãos da Síria.

Mais de 12 mil Católicos foram ilhados na aldeia de Rableh, onde os alimentos estão se esgotando, de modo a que tais Cristãos estão sobrevivendo a vários dias a base de pão e água.

Há já dez dias a aldeia de Rableh está isolada por grupos armados muçulmanos, que impedem a passagem de alimentos e medicamentos, além de impedir que mais Católicos busquem nela refúgio. Um dos responsáveis por manter uma das Paróquias locais, cujo nome por questões de segurança, pede para não ser identificado, mas que chamaremos pelas iniciais "B. K." informou que atiradores do islã mataram três jovens católicos na aldeia nos últimos dias, foram eles George Azar, de 20 anos, um outro jovem de 21 anos, e Elias Tahsc Semaan, de 35 anos, que era casado e pai de quatro filhos. 

O Patriarca Católico Gerco-Melquita Gergório III, Protetor Espiritual da Ordem Militar e Hospitalar de São Lázaro de Jerusalém, pediu para que todos os homens de boa vontade, principalmente os Cavaleiros desta Ordem, cuja principal missão, ainda é a defesa dos Cristãos perseguidos, que "Se salve a aldeia de Rabeh e todos os demais lugares estão sofrendo na Síria, e que chegue por fim a paz em nosso país tão amado."

O Núncio Apostólico na Síria Monsenhor Dom Mario Zenari, clamou a todas as partes para que tenham "rigoroso respeito ao Direitos Humanos".  

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Grão Priorado da Hungria: Missão Infantil

O Grão Priorado da Hungria da Ordem Militar e Hospitalar de São Lázaro de Jerusalém está dedicado a uma nova área de atividade caritativa: a Missão Infantil.

Fundada por iniciativa da Grã Prioresa da Hungria, a Condessa de Nyary, em 06 de agosto de 2012, a Missão Infantil da Ordem de São Lázaro é a única de sua categoria no mundo. Tem como principal objetivo o de proporcionar lazer e cultura a centenas de crianças pobres na Hungria.


O Grão Hospitalar da Ordem, Dr. Axel Mittelstaedt afirmou que: "É uma idéia maravilhosa no auxílio das crianças carentes", elogiando esta fantástica iniciativa da Condessa húngara.

Para ver várias fotos e mais notícias sobre o evento, clique aqui e veja a apresentação em powerpoint.  

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Santo Estêvão, Rei da Hungria


O Rei Estêvão, o Grande, ou Santo Estêvão da Hungria (Szent István király em húngaro), c. 975 - 15/08/1038, foi o primeiro rei da Hungria. Seu pai foi o Príncipe de Géza; sua mãe chamava-se Sarolt, e Estêvão recebeu ao nascer o nome de Vajk (que significa "herói"). Nascido na cidade de Esztergom, Vajk foi batizado aos 10 anos de idade por Santo Adalberto de Praga, como pré-condição para receber de Roma a coroa da Hungria, e então renomeado Estêvão, em homenagem ao mártir da igreja primitiva, Santo Estêvão protomártir.

Casou-se em 995, com a Bem-Aventurada Gisela da Baviera, filha do Rei Henrique II da Baviera e de Gisela da Borgonha.



Estêvão e Gisela tiveram ao menos três filhos, cujos nomes a história registrou: os varões Américo (Imre) e Otão (Ottó) e a filha Edviges (Hedvig). Ao que parece, Estêvão sobreviveu a todos os seus filhos, de modo que, após a sua morte, a coroa foi disputada por seus sobrinhos e primos.

Após derrotar os nobres pagãos que se lhe opunham e unificar as tribos magiares, reza a tradição que Estêvão recebeu do Papa Silvestre II uma coroa de ouro e pedras preciosas (a qual, denominada "Santa Coroa", tornou-se o símbolo do país), juntamente com uma cruz apostólica e uma carta de bênção em janeiro de 1001, com o que o papado o reconhecia como um rei cristão na Europa. Estêvão recebeu também do Papa o título de Rei Apostólico da Hungria.



Como um Rei Católico, dividiu o seu Rei em dez Dioceses e trinta e nove Diaconias, correspondentes ao trinta e nove Condados do Reino. Foi um Monarca Sábio, Corajoso e Diplomático. Seu Herdeiro, morto prematuramente, foi canonizado com o nome de Santo Américo. Após a morte de sua esposa, a Rainha Gisela, abandonou a vida na Corte, passando a viver no Mosteiro Beneditino de Passau.

O Rei Estêvão I foi Canonizado no ano de 1083. A Coroa Santa, recebida por Estêvão do Papa Silvetre II, foi utilizada por todos os demais Reis da Hungria, até o Bem-Aventurado Carlos IV, de Habsburgo, falecido em 1922, último Rei Apostólico da Hungria.  


O motivo pelo qual hoje dedicamos esta matéria a este Santo Rei é que há muitos anos, uma relíquia sua, mas precisamente um pedaço de seus ossos, foi posta em um relicário de ouro, e este, incrustado em uma espada. O fato que liga o Grão Priorado do Brasil de um modo tão especial a Santo Estêvão é simples, pois é com esta mesma espada, que até hoje, são Investidos no Brasil os Cavaleiros da Ordem Militar e Hospitalar de São Lázaro de Jerusalém.



segunda-feira, 13 de agosto de 2012

O Livro da Ordem de Cavalaria


O já muito conhecido livro escrito por Ramon Llull em 1280, pretende tratar da Cavalaria Perfeita, como uma Instituição (quase)mágica que tinha como principal missão a defesa da Cristandade contra todos os seus inimigos, fossem eles mortais ou espirituais.

O Livro é muito denso, e de grande interesse para todos os vocacionados desta Ordem de Cavalaria, e por este motivo, resolvemos atender uma antiga solicitação de um grande colaborador deste site, e publicá-lo.

Para todos os interessados em ler tão magnífica obra do pensamento Católico medieval, acessem este link.

Boa Leitura a todos!

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Aniversário do Blog de Cavalaria



Hoje o Blog de Cavalaria completa o seu primeiro aniversário. Nestes 365 dias, obtivemos um grande número de leitores, mais de 26 mil até o momento! Em uma média de 2.300 leitores ao mês, que acompanharam atentamente cada uma das 168 matérias postadas até o dia de hoje.

O público de leitores do Blog de Cavalaria está assim dividido, levando em conta o país de origem:

PAÍS                                                     NÚMERO DE LEITORES
Brasil.....................................................................16.970
Portugal.................................................................2.246
Estados Unidos......................................................1.955
França....................................................................1.394
Espanha.................................................................1.142
Rússia....................................................................515
Itália......................................................................482
Argentina...............................................................238
Alemanha..............................................................229
Japão.....................................................................159
Bélgica..................................................................150
Dinamarca.............................................................145
Canadá..................................................................132
Inglaterra...............................................................125
Demais Países........................................................818

Entre todas as postagens, a mais lida foi a postagem dobre os Dois Túmulos de São Lázaro de Betânia que trata justamente sobre os dois túmulos em que o nosso Padroeiro foi sepultado, um em Betânia, outro na Ilha de Chipre.

A Página mais acessada foi a Página Heráldica da Ordem que tem por principal ponto, o de mostrar as regras da Heráldica Lazarista.

MENSAGEM DO RETOR




Queridos e Fiéis Leitores deste Blog de Cavalaria. Ao longo deste primeiro ano tivemos numerosas oportunidades de contato direto. Escrevi mais de uma centena de postagens, que seguiram umas à outras em uma frequência quase diária. Em contrapartida recebi outras tantas mensagens, escritas por vocês e enviadas através de e-mail's, e inclusive através de algumas cartas, que guardo com todo o carinho.

Neste ano apresentamos a todos os Fiéis Leitores um pouco do fantástico mundo de uma Ordem de Cavalaria, e não de uma Ordem de Cavalaria qualquer, e sim da mais antiga Ordem de Cavalaria do Mundo. Desmascaramos fraudes, desmentimos falsas "ordens de cavalaria" que pretendem iludir e confundir os amantes das verdadeiras e genuínas Ordens Equêstres.

Ao longo deste ano pudemos nos divertir com assuntos leves e agradáveis, como a Heráldica, uma de minhas grandes paixões, bem como pudemos nos emocionar ao postarmos e lermos os relatos de auxílio moral, religioso e material, prestados pela Ordem Militar e Hospitalar de São Lázaro de Jerusalém aos quatro cantos do mundo, e é claro; pudemos nos por em estado de alerta, com as denúncias de perseguição a cristãos que ocorreram, e ainda ocorrem em partes do mundo, onde a Igreja de Cristo não é bem acolhida. Pudemos também relembrar a memória de nossos Confrades, Irmãos de Hábito, que morreram na esperança de que as obras da Sacra Milícia teriam sempre continuidade pelas vidas dos novos Confrades...

Mas a final de contas, o que é uma Ordem de Cavalaria? Como ela se transmite? Como nela se é admitido?

Podemos responder a estas perguntas através dos incontáveis livros sobre o tema, ou podemos simplesmente afirmar que uma Ordem de Cavalaria é a sobrevivência histórica das Irmandades Militares compostas pelos Católicos para a conquista e defesa da Terra Santa. Uma Ordem de Cavalaria se transmite aos seus novos Membros através de um ritual, chamado de Solene Missa de Investidura, onde o Grão Mestre da Ordem, ou seu Representante, recita antiquíssimas orações próprias da Ordem, e Cruza o novo Cavaleiro com o toque da espada em seus ombros. Desta forma, a Cavalaria é transmitida de uma Cavaleiro para outro, em uma ligação histórica que liga o novo Cavaleiro ao fundador de sua Ordem, em nosso caso, o Conde Simon IV de Monfort.

A Cavalaria é transmitida de um corpo a outro, de modo que se imprima completamente no corpo e na alma do novo Cavaleiro. Como é costume se dizer, a Cavalaria é transmitida de carne a carne, de osso à osso. Não é como fazer parte de uma associação, ou de um clube, é fazer parte de uma Irmandade de pessoas, que possuem uma ligação histórica com os primórdios da própria Cristandade.

Mais uma vez, parabéns a todos pelo sucesso do Blog de Cavalaria, e convido a todos a participarem dos próximos aniversários do mesmo, pois este blog que hoje completa seu primeiro ano, está apenas dando os seus primeiros passos.

Um grande abraço a todos.

Príncipe Andre Trivulzio-Galli, Príncipe de Mesocco.   


segunda-feira, 6 de agosto de 2012

John Kennedy: Um Militense do Século XX



O Século XX de nossa Era foi um dos mais ricos na grandiosidade dos Cavaleiros da Mãe de Deus. Tivemos grandes Cavaleiros como Sua Alteza Imperial e Real o Arquiduque Otto de Habsburgo, Chefe da Casa Imperial do Sacrossanto Império Romano Germânico; como o Dr. Albert Schweitzer, um dos maiores Médicos e Missionários dos últimos séculos; ou ainda, o Dr. Getúlio Vargas, Presidente do Brasil. Destes, e de mais centenas de Cavaleiros da Ordem da Milícia de Jesus Cristo e de Santa Maria, convêm que falemos mais em outras matérias, pois esta, é dedicada a um dos mais devotados Cavaleiros da Sacra Ordem Dinástica, Militar e Hospitalar da Milícia de Jesus Cristo e de Santa Maria, o Presidente Estadunidense John F. Kennedy.

John Fitzgerald Kennedy (Brookline, 29 de maio de 1917 — Dallas, 22 de novembro de 1963) foi um político estadunidense que serviu como 35° presidente dos Estados Unidos (1961–1963) e é considerado uma das grandes personalidades do século XX. Ele era conhecido como John F. Kennedy ou Jack Kennedy por seus amigos e popularmente como JFK.


Eleito em 1960, Kennedy se tornou o segundo mais jovem presidente de seu país, depois de Theodore Roosevelt. Ele foi Presidente de 1961 até seu assassinato em 1963. 

Durante a Segunda Guerra Mundial, conhecido por sua liderança como o comandante do barco PT-109 na área do Pacífico Sul. Ao realizar um reconhecimento, o seu barco foi atingido por um destróier japonês, que deixou o barco em dois e causou uma explosão. A tripulação responsável conseguiu nadar até uma ilha e sobreviver até serem resgatados. Essa façanha lhe deu popularidade e começou assim sua carreira política. Kennedy representou o Estado de Massachusetts como um membro da Câmara dos Deputados a partir de 1947 até 1953. No ano em que assumiu a cadeira de deputado, em 1947, professou solenemente seus votos como Cavaleiro da Sacra Milícia, pela Delegação dos Estados Unidos da Ordem Militar de Santa Maria.

Eleito Senador no ano de 1953 até que ele se tornou presidente em 1961. No ano em que assumiu a cadeira de Senador, foi promovido a Cavaleiro da Grã-Cruz. Com 43 anos de idade, foi o candidato presidencial do Partido Democrata nas eleições de 1960, derrotando o Republicano Richard Nixon em uma das eleições mais apertadas da história presidencial do país. Kennedy foi a última pessoa a ser eleita Presidente enquanto ainda exercia um mandato como Senador, até a eleição de Barack Obama em 2008. Também foi o único Católico Apostólico Romano a ser eleito presidente dos Estados Unidos. Até a data, era o único nascido durante a Primeira Guerra Mundial e também o primeiro nascido no século XX.

Brasão de Armas do Presidente Kennedy,
Cavaleiro do Grão Colar da Sacra Ordem Dinástica, Militar e Hospitalar da Milícia de Jesus Cristo e de Santa Maria Gloriosa, dos Cavaleiros da Mãe de Deus.

O presidente Kennedy morreu assassinado em 22 de novembro de 1963 em Dallas, Texas. O ex-fuzileiro naval Lee Harvey Oswald foi preso e acusado do assassinato, mas foi morto dois dias após, por Jack Ruby e por isso não foi julgado.


Kennedy foi promovido a Cavaleiro do Grão-Colar da Sacra Milícia no mesmo ano em que foi eleito Presidente dos Estados Unidos, e sempre julgou esta ser uma das maiores honrarias que poderiam ser atribuídas a um Católico. Sempre auxiliou nos trabalhos caritativos da Ordem tanto nos Estados Unidos como no Mundo todo. 


Kennedy e o filho passeiam pela Casa Branca.

Muitos viram em Kennedy como um ícone das esperanças e aspirações americanas, em algumas pesquisas no país ainda é valorizado como um dos melhores presidentes da história da nação.

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Kevelaer 2012: Homenagens à Mãe de Deus

Solene entrada da Bandeira do Grão Priorado do Brasil na Peregrinação de Kevelaer

Uma das grandes características do Magistério do Grão Mestre Carlos III, Marquês de Almanzán, é a Peregrinação anual à cidade de Kevelaer. Kevelaer é uma cidade alemã, situada no Distrito de Cleves, junto a Região Administrativa de Düsseldorf, no Estado alemão da Renânia do Norte Westphalen, e recebe mais de 800 mil peregrinos católicos ao ano, que vão a Kevelaer render Graças à Beatíssima Virgem Maria, Mãe de Deus e Padroeira de Kevelaer, sendo este o maior centro de peregrinações cristãs no Noroeste da Europa.



A Ordem Militar e Hospitalar de São Lázaro de Jerusalém faz anualmente dezenas de peregrinações em diversas partes do mundo. A mais tradicional é a Peregrinação ao Castelo de Boigny, Sede histórica do Grão Magistério da Ordem, que é realizada anualmente pelo Grão Priorado da França, em conjunto com a Comendadoria Magistral de Boigny.



O Grão Priorado da Espanha realiza todos os anos uma peregrinação a Catedral de Compostela, onde os Cavaleiros da Ordem de São Lázaro rendem suas orações ao túmulo do Apóstolo São Tiago, Padroeiro do Reino da Espanha.


Porém a Peregrinação a Kevelaer tem algo de diferente, organizada pelo Grão Priorado da Europa, com o auxílio do Grão Priorado do Reino dos Países Baixos e do Grão Baliado da Alemanha, a Peregrinação de Kevelaer é a única dedicada a honra de Maria Santíssima, e desta forma, centenas de Cavaleiros e Damas de todas as partes do mundo encontram-se nesta cidade medieval, onde revestidos com a Armadura da Espiritualidade Lazarista, prestam a devida homenagem a Mãe de Deus.


O Patriarca e o Grão Mestre assinam a Declaração de Kevelaer,
Acima: o Brasão do Santo Padre o Papa

Neste ano a Peregrinação a Kevelaer teve um sentido ainda mais especial para todos os Cavaleiros da Milícia e do Hospital: Neste ano, pela primeira vez na história, foi assinada uma Declaração pelo Príncipe Grão Mestre da Ordem, e por Sua Beatitude o Patriarca Gregorio III, Patriarca Católico Greco Melquita de Alexandria, Jerusalém e de Todo o Oriente.



Este Documento, chamado de Declaração de Kevelaer, o Patriarca reafirma a Sua Proteção Espiritual sobre toda a Ordem, e confirma o seu Fons Honorum sobre ela, do mesmo modo como seus antecessores têm feito, dês do ano de 1848.


Nesta e nas demais peregrinações da Ordem, somente tomam parte os legítimos Lazaristas, uma vez que os seguidores da falsa "ordem" criada em 1995 não possuem nossa Espiritualidade.


Ó Maria Concebida sem pecado, Rogai por nós que recorremos a Vós. Amém!   

O Patriarca em oração diante da Virgem de Kevelaer.