Seguidores

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Soberana Ordem de Santo Huberto de Lorena e do Barrois



Fiéis Leitores, a postagem de hoje é dedicada a uma importante Ordem de Cavalaria Cristã, a Ordem de Santo Huberto, dos Ducados de Lorena e de Bar, ou de Barrois.  Fundada no dia 31 de maio de 1416 por Decreto Perpétuo de Sua Alteza ilustríssima o Príncipe Luís I, de Bar-Mousson, Duque Soberano de Bar, Cardeal da Santa Igreja de Roma, Marquês de Pont, Senhor de Cassel, che assumiu a Chefia da Ordem com o título de Rei, que mais tarde foi modificado para Príncipe Grão Mestre. Luís I pôs a Ordem abaixo da Proteção de Santo Huberto, Bispo de Tongres-Maastricht e Liège.

Luís I, Duque de Bar

O Ato de Fundação que em seguida reproduziremos integralmente, escrito em língua francesa, foi assinado por 45 Cavaleiros da Nobreza da Lorena e do Ducado de Bar, que com a intenção de por fim às contendas e guerras que muitas vezes os obrigavam a lutar entre si Juraram Solenemente pelos Santos Evangelhos e por suas próprias Honras, utilizar suas armas somente à Serviço do Rei, viver em paz e o Respeito Mútuo:
Brasão d'Armas do Príncipe e Cardeal Luís I, Duque de Bar

"A tous ceulx qui ces présentes lettres verront: Nous Thiebaut de Blanmont; Phelibert, Seigneur de Beffroymont; Eustace de Conflans; Richart des Hermoises; Pierre de Beffroymont, Sire de Ruppes; Regnault du Chastelet; Erard du Chastelet, Son filz; Mansart Desne; Jehan, Seigneur Dorne; Gobert Daspremont; Joffroy Dorne; Jaque Dorne; Philippe de Noveroy; Oulry de Lendres; Jehan de Laire; Jehan de Seroncourt; Colart Doutanges; Jehan de Beffroymont, Seigneur de Fontois; Jehan de Maulberth et Joffroy de Bassompierre, Chevaliers; Jehan, Seigneur de Rodemach; Robert de Sarrebruche, Seigneur de Commercy; Edouart de Grantprey; Henry de Breul; Wary de la Vaulx; Joffroy Daspremont; Jehan des Hermoises; Franque de House, Oulry de Boulenges; Henry Despinaulz; François de Xorbey; Jehan de Saint-Lou; Hugues de Mandres; Huart de Mandres; Phelibert de Doncourt; Jehan de Sampigny; Colin de Sampigny; Arnoul de Sampigny; Alardin de Mousay; Hanse de Nivelein; le grant Richart Daspremont; Thierry Dauteilz; Thomas Doutanges; Jaquemin de Niscey et Jaquemin de Villers, Escuiers. Salut. Savoir faisons, que nous regardens et désirans vivre en honneur et en paix, avons advisé que nous ferons ensemble une Compagnie durant l'espace de cinq ans entiers, commeçant à la date de ces présentes. C'est a savoir que nous tous dessus nomez avons juré aux sainctes Evangiles de Dieu, et sur nos honneurs, que nous nous amerons et porterons foy et loyalté les uns envers les autres, et se nous savons le mal ou domage l'un de l'autre, que nous le détourberons à nos pouvoirs, et le ferons savoir les uns aux autres, le dit tems durant; et cette présente alliance et Compagnie avons juré envers tous et contre tous, excepté nos Seigneurs naturels et nos amis charnels, et durera cinq ans entiers, comme dit est, et se nul nous veult aucune chose demander ou requérir, nous en venrons à jour ou à droit par devant Très Révérend Père en Dieu, notre Très Redouté Seigneur Monseigneur le Cardinal Duc de Bar, Marquis du Pont, Seigneur de Cassel, lequel notredit Seigneur nous a promis loyalement en parole de principie de nous aider et conforter de toute sa puissance, et de son pays et de toutes les choses dessus, envers, et contre tous ceux qui à jour et à droit ne vouleront venir là ou il appartient droit par raison, et ferons un roy de cette Compagnie qui durera un an entier, et nous tous qui serons de cette Compagnie porterons un levrier, qui aura en son col un collet, auquel sera escript, TOUT UNG, et tous les ans tienront deux journées, la première à la Saint-Martin d'yver et l'autre à la Saint-Georges en avril, pour savoir s'il aurait aucune faute en la dite Compagnie, et se aucune faute il y avait elle serait amandée par le roy et par six autres alliéz, et convenra que chacun soit auxdites journées, sous peine de payer un marc d'argent, auxquelles journées on devrait envoyer se on avait excusation, soit excuser et payer sa part de dépenses, et se tenra la première journée a Saint-Michel: et ne peut on mettre aucun en cette Compagnie que ce ne soit par l'ordonance, de mondit Seigneur, et par le roy d'icelle, huit ou dix des plus grands d'icelle, les quels seront nomméz es lettres de celuy qui sera commis pour savoir ceux qu'ils auraient élu.
Et se aucun faisait tort ou dommage à l'un de cette Compagnie, il devrait requirir notredit Seigneur de qui il serait sujet qu'il l'eut à jour et à droit aevant que on fit oeuvre de fait et en cas de refus notre dit Seigneur devrait aider la Compagnie jusques à droit. Et nous tous serons tenus de servir à nos depens celui à qui on ferait dommage, qui ainsi aurait requis tant que le pays du duché de Bar et marquisat du Pont durant et pour le tems avenir: car se paravent la date des presentes, ou paravent ce que aucun fut mis de cette Compagnie aucune guerre estait commencée, nous ne seront point tenus d'en aider l'un l'autre, comme dit est par la manière qui s'ensuit.
C'est a savoir un banneret à trois hommes d'armes, un simple chevalier à deux, et un escuyer à ung, huit jours après que celui à qui on ferait dommage l'aurait fait savoir au roy de cette Compagnie, e que le dit roy en aurait requis, et se plus grand force y convenait ou se devrait renforcer au regard du roy et de six de ladite Compagnie, et toutes ces dites alliances nous tous avons faites et passées par le consentement du dit Seigneur et en sa présence, et iceluy nostre dit Seigneur nous a promis que se nous avions debat les un aux autres de nous oir et garder le droit de chacune partie sans long procés, comme bon Seigneur doit faire à ses sujets, et nous luy devons garder son bien, état, honneur et proffit de toutes nos puissances, comme bons vassaulz doivent faire à leur bon Seigneur, sanz faintise ne entrepos aucuns, et ne pourra aucun de cette Compaignie prendre ne accepter aucune autre Compaignie ou alliances ou préjudice de cette-dicte Compaignie ycelle durant, sinon par la volenté et consentement de notredit Seigneur.
En temoing de ce nous avons mis nos scels à ces presentes, et avons supplié, et requis notre dit Seigneur que pour plus grande approbation de cette luy plut mettre son scel à ces presentes.
Et nous Loys, par la grâce de Dieu, Cardinal Duc de Bar, Marquis de Pont, Seigneur de Cassel, à la requeste des dessus nommez, avons fait mettre notre scel à ces presentes.
Donné à Bar, le dernier jour de may l'an 1416".

A Ordem foi originalmente conhecida como Ordine del Levriere e della Fedeltà, pois seus Membros juraram solenemente cumprir às Obrigações livremente contratadas. Originalmente a insígnia da Ordem era composta por uma corrente d'ouro, da qual pendia um pingente de um cão de caça.

Posteriormente esta insígnia foi mudada para uma Cruz de ouro patenteada, com as pontas levemente côncavas, esmaltada de azul, encrustada por 12 diamantes e 8 pérolas, estas últimas postas nas extremidades da Cruz, com os ângulos cobertos por 20 raios de ouro. O Centro desta Cruz continha uma imagem de Santo Huberto em oração diante de uma Cruz, posta sob a cabeça de um cervo. No verso da Cruz havia o Brasão d'Armas do Ducado de Bar.  Esta Cruz pendia de uma fita vermelha. Havia também o uso de uma placa ao lado esquerdo do peito.

Os Duques de Lorena assumiram o Grande Magistério da Ordem, e a mantiveram não como Ordem de Cavaleiros Pacíficos, mas como Ordem de Cavalaria Honorária. A Ordem passou a ser dividida em três classes:
I CAVALEIRO DA GRÃ-CRUZ
II CAVALEIRO COMENDADOR
III CAVALEIRO

Com a reunião do Ducado da Lorena ao Reino da França a Ordem de Santo Huberto de Lorena passou à Proteção dos Reis da França Luís XIV, Luís XV, Luís XVI, Luís XVII e Luís XVIII.

Em particular Sua Majestade o Rei Luís XV, em Sua Iluminada Sabedoria, em sua Carta Régia de 1738 concedeu Nobreza à todos os Cavaleiros da Ordem, e os permitiu os Privilégios da Corte.

O Rei Luís XVI, em Sua Infinita Bondade, em sua Carta Régia de 1786 permitiu que os Membros da Ordem utilizassem o Hospital de Bar como um estabelecimento para os pobres.

Com a Revolução Francesa, o Barão Crolbois de Seewald transferiu a Sede a Ordem para Frankfurt, na Alemanha. Após a Restauração dos Bourbon no Trono da França, o Rei Luís XVIII, em Sua Carta Régia de 1816, não apenas confirmou a Proteção Real Perpétua da Ordem, como também lhe concedeu um novo Estatuto.

Os Privilégios concedidos pelos Reis da França produziram muitos efeitos positivos, porém é importante frisar que a Ordem sempre manteve sua independência do Reino da França, e conservou sempre seus Poderes Soberanos como Ordem de Cavalaria.

Atualmente a Ordem deve ser considerada como uma Ordem de Cavalaria Soberana e Dinástica, destinada a reunir os Membros da Nobreza e da Aristocracia. É independente de qualquer Estado e da Santa Sé e sobre a base de suas doutrinas políticas de legitimidade do soberano, a Soberana Ordem de St. Hubert de Lorena e do Barrois pode ser considerado como um sujeito de direito internacional, com personalidade jurídica pública, sempre em Direito Internacional.

O GRÃO MAESTRADO NA CASA DE PICAZIO

Em 03 de novembro de 1962 o último e legítimo Herdeiro do Fundador da Ordem, em sua qualidade de Grão Mestre Hereditário, por não ter nenhum descendente, concedeu por meio de um Decreto Magistral Privado, Registrado na França, seus Direitos de Príncipe e Grão Mestre da Soberana Ordem de Santo Huberto de Lorena e do Barrois ao Duque italiano Don Francesco Vittorio Gennaro Picazio, Cavaleiro de Grã-Cruz de Justiça da Ordem.

Concedeu também unir seu sobrenome Ardenne-Lorena, ao nome da família Picazio, formando assim a Casa dos Duques de PICAZIO ARDENNE-LORENA.


Brasão d'Armas do atual Duque de Picazio Ardenne-Lorena
Príncipe e Grão Mestre da Ordem

O Brasil possui uma Representação Oficial da Ordem, cujo Representante é o Príncipe Andre Galli della Loggia (Autor e Redator deste Blog), Cavaleiro Grão-Cruz de Justiça e Rei de Armas da Ordem.


Brasão d'Armas do Príncipe e Conde Andre Galli

Visite o Site da Ordem no Brasil:



segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Evento Mundial de combate à Hanseníase


GRÃO PRIORADO DO BRASIL DA
SOBERANA ORDEM MILITAR E HOSPITALAR DE SÃO LÁZARO DE JERUSALÉM

+CHANCELARIA DA ORDEM+

Acontecerá hoje, dia 30 de janeiro na Sede da Associação Paulista de Medicina APM, Av. Brigadeiro Luís Antonio, 278, Bela Vista, Cidade de São Paulo às 14 horas o APELO GLOBAL PELO FIM DO ESTIGMA E DA DISCRIMINAÇÃO CONTRA AS PESSOAS ATINGIDAS PELA HANSENÍASE E SUAS FAMÍLIAS.

Pedimos a TODOS os Membros ou Admiradores da Ordem Militar e Hospitalar de São Lázaro de Jerusalém que se encontrem na Cidade de São Paulo ou seus arredores, que COMPAREÇAM ao Evento, pois consistem os Principais Deveres de um Cavaleiro Lazarista:

DEFENDER A SANTA IGREJA DE ROMA

DEFENDER OS CRISTÃOS ONDE QUER QUE SEJAM PERSEGUIDOS

DEFENDER E AMPARAR OS LEPROSOS.

Demais informações pelo site:

sábado, 28 de janeiro de 2012

A Verdadeira Conversão Cristã

Dom Farès Maakaorun, Arcebispo da Igreja Católica
Apostólica Greco-Melquita do Brasil (Igreja em Comunhão com a Santa Sé)
Cavaleiro da Soberana Ordem Militar e Hospitalar de São Lázaro de Jerusalém, Acre e Boigny.



Agradeço a Nosso Senhor Jesus Cristo por essa oportunidade de transmitir a Sua Verdade, em Seu Nome.
Rogo a Virgem Maria que acompanhe minhas palavras a fim de não cometer nenhuma injustiça. Imploro Sua Proteção.

Amados meus, estou feliz por essa disposição em me ouvir, desejo de coração poder saciá-los de Bem e Verdade.
Hoje, não vou falar do conteúdo de meu último livro, “A Ruina do Anticristo na Igreja e na Família”, porque ele é um livro  para alcançar a Deus, por uma experiência individual de amor de cada um de nós. Não foi um livro pensado para os centros acadêmicos, ou para discussões teológicas, mas um livro para cada cristão, que todos os dias precisam escolher pelo Bem, pela Verdade.
Por isso, vamos começar, refletindo onde devemos olhar para descobrir a Deus, e reforço descobrir a Deus, com essa descoberta tornar nossas escolhas diárias verdadeiramente cristãs.
Ninguém encontra Deus! Deus é que vem buscar cada um de nós, daí nossa necessidade em descobrir a Deus quando estamos diante desse encontro. Deus não está dentro, nem fora de você, assim como uma pessoa não está dentro, nem fora de você. Então, como posso perceber a Deus? Você vai perceber a Deus pela AÇÃO que Deus faz em sua vida.

Quando dizem no mundo: “meu encontro com Deus”, “meu encontro com Nossa Senhora” a coisa não é bem assim. Perceba que você não pode sair de algum lugar para se encontrar cara a cara com Deus, você não se encontra cara a cara com Deus, porque você está Dentro De Deus.
Todos nós estamos dentro De Deus, porque Ele é a Realidade Máxima, o Supramente Real.
Logo, ninguém pode sair de dentro do Supramente Real para se encontrar com Deus. Segundo o Apóstolo, São Paulo: Nele vivemos nos movemos e somos!
Mas então, como posso perceber, ou seja, descobrir, a existência de Deus?

Podemos perceber a existência de Deus, somente quando podemos perceber a Ação de Deus nas nossas vidas.
Às vezes, essa Ação de Deus em nossas vidas é tão clara que só um idiota não perceberia. Agora, se você nunca se dispôs a olhar para a Ação de Deus na sua Vida fica impossível de descobrir a Deus, e passará o resto de sua vida correndo atrás de infinitas dúvidas.
Para entender essas minhas palavras, não é preciso ser teólogo, basta saber ler o Evangelho, notem bem: Em Mateus 11(1-6) perguntaram a Jesus se Ele era aquele mesmo messias que estavam esperando, ou deveriam esperar outro? E Jesus responde: Vocês estão vendo, vendo  os paralíticos andarem, os cegos enxergarem, e assim por diante. Certo?

Então, como você pode descobrir a Deus? Como cada um de nós pode descobrir a Deus, sem nenhum mistério?
PELOS FATOS
Então, amados meus, qual foi o critério que Nosso Senhor Jesus Cristo nos ensinou para sabermos como descobrir a Deus?
PELOS FATOS
Agora, se o próprio Nosso Senhor Jesus Cristo, nos explicou, onde está Deus, aonde devemos olhar para descobrir Deus, porque deveríamos fazer de outra maneira?
Então, o que nos impede de perceber verdadeiramente a Deus, na nossa vida? O que nos torna distante da intimidade com o Sagrado?
Comecemos por pensar  no significado de uma Conversão Cristã! (Quem é convertido aqui dentre de nós)
Notem que interessante:
No Islã a conversão de um homem se dá por uma declaração pública a comunidade islâmica. Este homem declara publicamente que ele acredita em um só Deus e seu profeta é Maomé, a partir desse momento este homem se compromete a obedecer aos cinco pilares do islã e se torna um muçulmano, membro da comunidade, mesmo que estas palavras declaradas por este homem sejam da boca par fora, ele se torne muçulmano. A conversão ao islã é uma conversão formal e cívica perante a comunidade.
Enquanto, no Cristianismo o processo de conversão é um processo interno, informal, pessoal e misterioso que acontece entre o homem e Deus.  Um homem pode se converter em absoluto segredo havendo uma conversão que se dá em sua alma, perante Deus. A conversão cristã não é um ingresso a uma comunidade formal e cívica. Nem mesmo o sacramento do Batismo é um ingresso a uma comunidade cívica e sim  a uma comunidade espiritual.


Portanto, a conversão cristã de um homem é um mistério entre Deus e este homem, o que vale desse homem perante Deus, e não perante uma comunidade.
A partir desse momento, o homem convertido ao cristianismo perante Deus, muda de vida Então, converter-se para este homem, significa mudar de direção no caminho da vida: não com um pequeno ajustamento, mas com uma verdadeira inversão de sua marcha.
Com a conversão, a pessoa tem, como objetivo, a medida alta da vida cristã, confiar no Evangelho vivente e pessoal, que é Jesus Cristo. A Pessoa de Jesus Cristo é a meta final e o sentido profundo da sua conversão, Ele é o caminho pelo qual todos são buscados a caminhar na vida, deixando-se iluminar pela Sua Luz e amparar pela Sua Força que move os nossos passos. Deste modo a conversão manifesta o Seu Rosto mais maravilhoso e fascinante:  Não é uma simples decisão moral que retifica o nosso modo de vida, mas é um mistério de fé, que nos envolve totalmente na comunhão íntima com a Pessoa viva  e concreta de Jesus.
 Converter-se e confiar no Evangelho não são duas coisas diversas ou de qualquer modo apenas próximas entre si, mas expressam a mesma realidade.

A conversão autêntica de um homem perante Deus é o seu "sim" total de quem entrega a própria existência ao Evangelho, respondendo livremente a Cristo que foi o primeiro a oferecer-se ao homem como caminho, verdade e vida, como o único que liberta e salva. É precisamente este é o sentido das primeiras palavras com as quais, segundo o Evangelista Marcos, Jesus abre a pregação do "Evangelho de Deus": "Completou-se o tempo e o Reino de Deus está perto. Arrependei-vos e confiai na Boa Nova" (Mc 1, 15).
O "arrependei-vos e confiai na Boa Nova" não está só no início da vida cristã, mas acompanha todos os seus passos, permanece renovando-se e difunde-se, ramificando-se em todas as suas expressões.
Todos os dias é momento favorável e momento de graça, porque todos os dias somos solicitados a descobrir  a Jesus, a ter confiança n'Ele, a permanecer n'Ele, a partilhar o Seu Estilo de Vida, a aprender d'Ele o Amor Verdadeiro, a segui-Lo no cumprimento quotidiano da Vontade do Pai, a única grande lei de vida.
Todos os dias, também quando não faltam as dificuldades e as fadigas, as canseiras e as quedas, quando somos tentados a abandonar o caminho do seguimento de Cristo e a fechar-nos em nós mesmos, no nosso egoísmo, sem nos darmos conta da necessidade que temos de nos abrir ao Amor de Deus em Cristo, para viver a mesma lógica de Justiça e de Amor. Por isso, é necessário humildade para aceitar que é preciso que Jesus Cristo nos liberte do "meu", para me dar gratuitamente o "Seu".
Graças à ação de Cristo, nós podemos entrar na justiça "maior", que é aquela do amor, a justiça de quem se sente em todo o caso sempre mais devedor que credor, porque recebeu mais do que aquilo que poderia esperar.


Recorda-te que és pó e pó hás-te de tornar. Somos assim remetidos para o início da história humana, quando o Senhor disse a depois do pecado original: "Com o suor do teu rosto comerás o pão, enquanto não voltares à terra porque dela foste tirado: tu és pó e pó hás-te de tornar!" (Gn 3, 19).
Aqui, a palavra de Deus recorda-nos a nossa fragilidade, aliás,  a nossa morte, que é a sua forma extrema.
Perante o inato (fatal) medo do fim, e ainda mais no contexto de uma cultura que de muitos modos tende a censurar a realidade e a experiência humana do morrer, a vida cristã, por um lado, recorda-nos a morte convidando-nos ao realismo e à sabedoria, mas, por outro, estimula-nos, sobretudo, a aceitar e a viver a novidade inesperada de uma fé confiança, e não uma fé crença.
O homem é pó e pó há-se de tornar, mas é pó precioso aos olhos de Deus, porque Deus criou o homem destinando-o à imortalidade. Assim a fórmula litúrgica "Recorda-te que és pó e pó te hás-te de tornar" encontra a plenitude do seu significado em referência ao novo Adão, Cristo.

Também o Senhor Jesus quis partilhar, livremente, com cada homem, o destino da fragilidade, sobretudo através da Sua Morte na Cruz; mas felizmente esta morte, cheia do Seu Amor pelo Pai e pela humanidade, foi o caminho para a Ressurreição Gloriosa, através da qual Cristo se tornou Fonte de uma Graça doada a quantos confiam n'Ele e são tornados partícipes da própria Vida Divina.
Esta vida, que não terá fim, já está a decorrer na fase terrena da nossa existência, mas será levada a cumprimento depois "da ressurreição da carne". O Apóstolo Paulo indica-nos a atitude espiritual adequada para poder progredir no Caminho da Comunhão. "Não que eu já tenha alcançado a meta — escreve ele aos Filipenses — ou que já seja perfeito, mas prossigo a minha carreira para ver se, de algum modo, a poderei alcançar, visto que já fui alcançado por Jesus Cristo" (Ef 3, 12).

Sem dúvida, nós cristãos ainda não alcançamos a meta da plena unidade com Deus, mas se nos deixarmos converter de modo incessante pelo Senhor Jesus, certamente alcançá-la-emos. Afinal, o cristão, que tem uma fé de confiança, tem esperança no dom de uma verdadeira conversão.
De uma fé confiante nasce a autêntica Esperança:
Quando na Primeira Carta de Pedro se exorta aos cristãos a estarem sempre prontos a responder ao propósito do logos (o sentido e a razão) da sua esperança (3,15), « esperança » equivale a «fé de confiança».
Paulo lembra aos Efésios que, antes do seu encontro com Cristo, estavam « sem esperança e sem Deus no mundo » (Ef 2,12). Naturalmente, ele sabe que eles tinham acreditado em deuses, que tiveram uma religião, mas os seus deuses revelaram-se discutíveis e, dos seus mitos contraditórios, não emanava qualquer esperança. Afinal, só confiamos naquilo que conhecemos, que experimentamos, e percebemos. Apesar de terem deuses, estavam «sem Deus» e, consequentemente, achavam-se num mundo tenebroso, perante um futuro obscuro.
Ao mesmo tempo, diz aos Tessalonicenses: Não deveis «entristecer-vos como os outros que não têm esperança» (1 Ts 4,13).  Aparece aqui também como elemento distintivo dos cristãos o fato de estes terem um futuro: Não é que conheçam em detalhe o que os espera, mas sabem, em termos gerais, que a sua vida não acaba no vazio.

Sendo assim, podemos agora dizer: O cristianismo não era apenas uma «boa nova», ou seja, uma comunicação de conteúdos até então ignorados. Em linguagem atual, dir-se-ia: A mensagem cristã não era só « informativa », mas « reveladora ». Significa isto que o Evangelho não é apenas uma comunicação de realidades que se podem saber, mas uma comunicação que deve gerar fatos e experiências, mudando a vida de quem experimenta.
Os Efésios, antes do encontro com Cristo, estavam sem esperança, porque estavam «sem Deus no mundo». Chegar a conhecer Deus, o Verdadeiro Deus: Isto significa receber esperança. A nós, que desde sempre convivemos com o conceito cristão de Deus e a Ele nos habituamos a posse duma tal esperança que provém do encontro real com este Deus quase nos passa despercebida.

O cristianismo não traz uma mensagem sócio-revolucionária. Jesus não era um guerreiro em luta por uma libertação política, como Barabás ou Bar-Kochba. Aquilo que Jesus, Ele mesmo morto na cruz , trouxe, é  algo de totalmente distinto: O encontro com o Senhor de todos os senhores, o encontro com o Deus Vivo é, deste modo, o encontro com uma Esperança que é mais forte do que os sofrimentos, é por isso mesmo, transforma a partir de dentro a vida de um homem.


Uma curiosidade interessante é que a figura de Cristo interpretada, nos antigos sarcófagos, está através de duas imagens: A do filósofo e a do pastor. Em geral, por filosofia não se entendia uma disciplina acadêmica, tal como ela se apresenta hoje.
O filósofo era antes aquele que sabia ensinar a arte essencial: A arte de ser retamente homem, a arte de viver e de morrer.
Certamente, já há muito tempo que os homens se tinham apercebido de que boa parte dos que circulavam como filósofos, como mestres de vida, não passavam de charlatães que, com suas palavras, granjeavam dinheiro, enquanto sobre a verdadeira vida nada tinham a dizer. Isto era mais uma razão para se procurar o verdadeiro filósofo que soubesse realmente indicar o itinerário da vida.

Quase ao fim do século terceiro, encontramos, pela primeira vez, em Roma, no sarcófago de um menino e no contexto da ressurreição de Lázaro, a figura de Cristo, como o Verdadeiro Filósofo que, numa mão, segura o Evangelho e, na outra, o bastão do viandante, próprio do filósofo. Com este bastão, Ele vence a morte; o Evangelho traz a verdade que os filósofos peregrinos tinham buscado em vão.
Nesta imagem, que sucessivamente por um longo período havia de perdurar na arte dos sarcófagos, torna-se evidente aquilo que tanto as pessoas cultas como as simples encontravam em Cristo: Ele diz-nos quem é na realidade o homem e o que ele deve fazer para ser verdadeiramente homem. Ele indica-nos o caminho, e este caminho é a verdade. Ele mesmo é simultaneamente um e outra, sendo por isso também a vida de que todos nós andamos à procura.
Ele indica ainda o caminho para além da morte; só quem tem a possibilidade de fazer isto é um verdadeiro mestre de vida.
O mesmo se torna visível na imagem do pastor. Tal como sucedia com a representação do filósofo, assim também na figura do pastor, a Igreja primitiva podia apelar-se a modelos existentes da arte romana. Nesta, o pastor era, em geral, expressão do sonho de uma vida serena e simples de que as pessoas, na confusão da grande cidade, sentiam saudade.
Agora a imagem era lida no âmbito de um novo cenário que lhe conferia um conteúdo mais profundo: «O Senhor é Meu Pastor, nada me falta [...] Mesmo que eu atravesse vales sombrios, nenhum mal temerei, porque estais comigo» (Sal 23[22], 1.4).
O verdadeiro pastor é Aquele que conhece também o caminho que passa pelo vale da morte.      O verdadeiro pastor é Aquele que, mesmo na estrada da derradeira solidão, onde ninguém me pode acompanhar, caminha comigo servindo-me de guia ao atravessá-la: Ele mesmo percorreu esta estrada, desceu ao reino da morte, venceu-a e voltou para nos acompanhar a nós, agora, e nos dar a certeza de que, juntamente com Ele, acha-se uma passagem. A certeza de que existe Aquele que, mesmo na morte, me acompanha e com o seu «bastão e o seu cajado me conforta», de modo que «não devo temer nenhum mal» (Sal 23[22],4): esta é a  esperança que surgiu e deve surgir em nossas vidas.


Com a minha Benção Apostólica



Dom Farès Maakaroun
Arcebispo da Igreja Católica, Apostólica, Greco-Melquita
no Brasil


 São Paulo 25 de Janeiro de 2012

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

A Grã-Cruz de Mérito ao Sultão de Sulu



Sua Alteza o Príncipe Grão Mestre da Ordem Militar e Hospitalar de São Lázaro de Jerusalém, Acre e Boigny, Sr. Dom Carlos Gereda de Bourbon, Marquês de Almanzán concedeu, in motu proprio a Grã-Cruz de Mérito da nossa querida Ordem da Milícia e do Hospital para Sua Alteza Real o Sultão de Sulu, Sr. Raja Muda Muedzul Lail Tan Kiram, que foi Príncipe Soberano entre os anos de 1974 a 1986. 

O Sultanato de Sulu encontrava-se instalado num arquipélago do mesmo nome, cuja mais importante ilha é a Ilha de Jolo. O Arquipélago foi forçado pelos Estados Unidos a integrar às Filipinas. Os habitantes do antigo Sultanato reclamam até os dias atuais a volta de seu Sultão e a Restauração de sua Monarquia.

O Sultão de Sulu é reconhecido pelo Presidente das Filipinas como o Chefe da Casa Principesca de Sulu, sendo o Grão Mestre da Ordem da Pérola.   

Reportagem da Revista ATAVIS ET ARMIS.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Presidente da Macedônia: Grão-Cruz de Mérito

Direto da Macedônia


O Príncipe Grão-Mestre impõe a Grã-Cruz de Mérito ao Presidente
Gjorge Ivanov, da Macedônia.

O Presidente da Macedônia, Sr. Gjorge Ivanov, recebeu no dia 09 de setembro a Grã-Cruz, pela Categoria de Mérito, da Soberana Ordem Militar e Hospitalar de São Lázaro de Jerusalém, Acre e Boiny.

O ato se deu em comemoração à Elevação do Priorado da Macedônia em Grão-Priorado. O Príncipe Grão-Mestre, Dom Carlos de Bourbon, Marquês de Almanzán presidiu a primeira Cerimônia de Investidura naquele país.

O Presidente Ivanov demonstrou grande apoio à instalação de nossa amada Ordem em seu país, e em seu discurso de posse, refletiu suas idéias inovadoras, como de ingressar a Macedônia na OTAN e na União Européia. 

sábado, 21 de janeiro de 2012

Categoria de Justiça na Espanha: Mudanças


A Revista ATAVIS ET ARMIS número 26 ainda nem foi posta ao acesso do grande público, e algumas das novidades trazidas por ela já estão dando o que falar. Com certeza a mais polêmica de todas, que foi publicada pela Revista com o título "Criterios para estimar Nobleza Personal en los Candidatos a la Clase de Justicia del Gran Priorado de España" informa que o Conselho de Governo daquele Grão Priorado mudou as regras para o acesso à Categoria dos Nobres.

Seguindo antigos costumes, somente eram aceitos como Membros da Categoria de Justiça quem provasse ser pertencente à Religião Católica Romana e que comprovasse Nobreza de pelo menos 200 anos de sua linhagem masculina direta.

O grande Cavaleiro Lazarista don José Maria Montells, Visconde de Portadei enviou-me um e-mail muito esclarecedor, com a seguinte mensagem:


"Meu Querido Amigo

O Grão Priorado da Espanha não mudou as regras de ingresso à Categoria de Justiça, reservada aos que comprovam Nobreza de Hereditária do Primeiro Sobrenome (Nobreza por Varonia), o que foi feito, foi a elucidação de critérios que, segundo a doutrina tradicional nobiliária, que trazem a Nobreza Pessoal às pessoas que não possuem Nobreza de Sangue e abrir à Classe de Justiça a algumas pessoas destacadas na Sociedade, e que por isso merecem nosso reconhecimento.

Um forte abraço, Visconde de Portadei"

Dessa forma, temos a certeza que nada mudou para o ingresso da Nobreza na Categoria que lhe é de Direito, o que ocorreu foi que alguns elementos que obtiveram merecido destaque social, também obterão meios de alcançá-la.  

CONFIRA AS MUDANÇAS

De agora em diante, serão admitidos na Ordem de São Lázaro na Espanha, juntamente com os Nobres na Categoria de Justiça:


Armas do Grão-Priorado do Reino da Espanha

a) A Nobreza Autorizada: Espanhóis que receberam títulos Nobres de outros Reinos ou Casas Reais, e que obtiveram permissão do Rei da Espanha para utilizarem tais títulos em seu Reino.

b) A Nobreza Premial: Quem tenha sido condecorado com com uma Comenda ou uma Cruz das Ordens Civis e Militares do Estado, que dêem ao portador o tratamento de "Ilustríssimo". Todos os Cavaleiros das Ordens de Carlos III; Isabel, A Católica, São Hermenegildo e Laureada de São Fernando.

c) Nobreza Militar: Os Generais e Almirantes de ambas as Forças Armadas possuem Nobreza Pessoal transmitida a seus descendentes. Como também todos aqueles que, independente da patente, possuam a Placa da Real e Militar Ordem de São Hermenegildo ou da Medalha Militar individual.

d) Nobreza Cidadã: Os Prefeitos de Municípios e Presidentes de Câmara das capitais das Províncias.

e) Nobreza Administrativa: Sub secretários, Secretários-Gerais e Diretores Gerais. Magistrados do Supremo Tribunal e do Tribunal Constitucional, Presidentes das Audiências Provinciais, Fiscais Chefes, Conselheiros e Secretários Gerais das Províncias Autônomas. Delegados e Promotores. 

f) Nobreza Acadêmica: Acadêmicos Numerários pertencentes às Reais Academias integradas ao Instituto da Espanha. Prêmios Nobel, Prêmios Príncipe das Astúrias e Cervantes.

g) Nobres pelo Serviço à Coroa ou à Sociedade: Todos os Cargos Públicos de Funcionários Superiores da Administração Civil de Províncias Autônomas ou Municípios, que estejam no nível 28 ou superior. Os Natários, Registradores, Magistrados, Fiscais e demais cargos análogos. Diretores de Jornais, Revistas, Periódicos e demais meios de Comunicação. Diretores de Clínicas e Hospitais, públicos ou privados. Reitores, Decanos ou Catedráticos das Universidades. Diretores de Institutos Acadêmicos, etc. Todos os quais tenha exercido qualquer um dos cargos acima por mais de 15 anos.

h) Nobres pela Atividade Empresarial ou Industrial: Os Fundadores de indústrias de importância, Exercer Cargo de Chefia em um Grande ou Média empresa por mais de 15 anos.

i) Os Nobres por Prestígio Social: Os que gozam de prestígio social reconhecidos por serem: Doutores, Licenciados ou engenheiros, que por suas funções gozem de reconhecido prestígio, e que tenham exercido suas funções por mais de 20 anos.    


quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Revista ATAVIS ET ARMIS


Muitos de vocês, Fiéis Leitores, já leram ou ouviram falar da Revista espanhola ATAVIS ET ARMIS; tal Revista é o periódico trimestral do Grão-Priorado Espanhol da nossa amada Ordem Militar e Hospitalar de São Lázaro de Jerusalém. Nesta Revista os maiores autores da Cavalaria têm suas matérias publicadas, para que dessa forma, os assuntos ligados à Nobreza, Heráldica e a nossa Ordem, sejam divulgados.

Alguns dos senhores poderão se recordar da Postagem intitulada "Boigny, Sede Magistral da Ordem", que escrevi a alguns meses. Tal relato também foi lido na Europa, e apreciado pelos Redatores da Revista Atavis, que sabendo que falo e escrevo em espanhol, requisitaram que traduzisse a matéria para o castelhano, para que esta fosse publicada na Atavis.

Tive o grande prazer de ontem, no e-mail veiculado à esta página, a versão digitalizada da Revista, onde minha matéria havia sido feita Matéria de Capa. Para quem quiser conferir a matéria publicada na Revista, clique aqui (e procure em Grão Priorado da Espanha, pela revista número 26).

Para quem quiser relembrar a Matéria, a postarei na íntegra:

  
Armas do Grão Priorado da França

Apesar da Ordem Militar e Hospitalar de São Lázaro de Jerusalém ser a Ordem de Cavalaria mais antiga da Cristandade, fundada pelos cristãos armênios em 312, abaixo da Regra de São Basílio, somente começou a Eleger Grão Mestres após a chegada dos príncipes cristãos à Jerusalém juntamente com as Santas Cruzadas.

O Primeiro Grão Mestre da Ordem foi o Bem-Aventurado Blessed de Gerard, que também foi Grão Mestre da Ordem Militar e Hospitalar de São João (Ordem de Malta). Com o Bem-Aventurado Blessed de Gerard nasceu a tradição da Sede do Grão Magistério da Ordem -Sede Magistral- fosse o Hospital de São Lázaro, situado extra murus em Jerusalém.



Por volta de 1148 o Rei Luís VII da França vai a Jerusalém, onde conhece a Ordem dos Hospitalários de São Lázaro. Após lutar a seu lado, obtém a permissão do Grão Mestre, e retorna com 200 Cavaleiros Lazaristas para a França, em outubro de 1149. O objetivo dos 200 Cavaleiros Lazaristas na França era claro, propagar a Religião de São Lázaro (quando falamos em "Religião" estamos nos referindo a Ordem de Cavalaria, não à uma fé religiosa, pois para a Ordem a única Fé é a ligada ao Santo Padre o Papa), e o cuidado dos leprosos na França, que no século XII eram em grande número.


Castelo de Boigny, século XII.

Para abrigar os lazaristas, Luís VII, O Piedoso, doou o seu Castelo particular, situado em Boigny, perto da região de Orleans. Boigny era um importante centro para a Monarquia na França, lá haviam vivido Luís VI e Luís VII. Lá também Luís VII casou-se com a Princesa Constança, filha do Rei Alfonso VIII de Castela.


Em 1187 ocorreu a desastrosa perda da Cidade Santa de Jerusalém para os muçulmanos. Guy I, de Lusignan, Rei de Jerusalém, transfere a sede do Reino Latino de Jerusalém para a cidade de São João de Acre, e para lá transfere também as Sedes Magistrais das Ordens Cristãs, como a Ordem Hospitalar de São Lázaro, a Ordem Hospitalar de São João e a Ordem do Santo Sepulcro, entre outras. A Sede da Monarquia Latina de Jerusalém permanece em Acre até o ano de 1291, quando as ordas pagãs, após meses de cerco, tomam a cidade. O Rei Henri II de Lusignan, Rei de Jerusalém, transfere mais uma vez a Sede da Monarquia, mas desta vez para a ilha de Chipre, porém para lá não poderiam ir os Magistérios das Ordens Cristãs, que são enviados para a Europa.

Com a perda da fortaleza de Acre, e com a impossibilidade, por parte do rei Henri II de Lusignan, do estabelecimento das Ordens de Cavalaria em Chipre, a Ordem Militar e Hospitalária de São Lázaro de Jerusalém parte para a Europa, onde espalha-se entre a França, Itália e Inglaterra. A Sede do Grão Magistério da Ordem seguiu para o Castelo de Boigny, doação do Rei Luís VII, O Piedoso, da França. 


Baixo-relevo do Rei Luís VII, O Piedoso
levando os Cavaleiros de São Lázaro para Boigny

A Lepra ainda era muito espalhada pela Europa, de modo que a Ordem de São Lázaro teve possibilidade de implantar uma grande rede de Hospitais para o cuidado de leprosos. A importância da Ordem era tanta, que o Papa CLEMENTE IV, confiou o cuidado de todos os leprosos da Europa para a Ordem de São Lázaro. Em 1368 Jacques des Besnes é Eleito Grão Mestre da Ordem, e daí por diante, passa toda sua vida em Boigny, e organiza o local para que se torne o coração da Ordem em todo o mundo. 

Em 1430 a Ordem Militar e Hospitalar de São Lázaro passa por um processo de reafirmação de sua importância, no seio de uma sociedade extremamente perturbada. Em 1485 o XXIII Grão Mestre Jean le Cornu conduz o Capítulo Geral de Boigny.

As revoltas protestantes do século XVI causam a chamada "I Perda de Boigny", quando os protestantes calvinistas, sob o comando do confuso Príncipe de Condé, tomam o Castelo no ano de 1562. Após duras lutas os calvinistas são expulsos de Orlenas, e a Ordem retoma sua Sede Magistral em Boigny, tudo isso graças ao empenho pessoal do XXXI Grão Mestre François Salvati.

Na tentativa de evitar o interesse dos inimigos pela fortaleza, François Salvati faz com que a valha muralha medieval seja removida, e o Castelo de Boigny adota uma aparência de Mansão de Campo. Em meio a uma grande confusão o Castelo foi saqueado, pondo termo aos trabalhos de restauração de Salvati, que desabita o prédio.

O Castelo de Boigny permaneceu desabitado por mais de um século, que o reduz a um estado deplorável. Em 1699 é assinado um tratado pela restauração do Castelo. Em abril do mesmo ano o Marquês Huget de Semoville propõe restaurar o Castelo com suas próprias rendas, o que é aceito pela Ordem com grande entusiasmo. Em 1700 o Castelo estava completamente restaurado, agora com características do novo estilo, torna-se uma Mansão neoclássica. 


Brasão d'Armas do Marquês de Semoville no Castelo de Boigny

A revolução francesa ameaça toda a Monarquia, e as Ordens de Cavalaria que dela dependem. Os revolucionários roubam o Castelo de Boiny e o vendem como "propriedade nacional", ocorrendo a chamada "II Perda de Boigny".

Em 1824 ocorre a Restauração da Monarquia, e com ela a Ordem Militar e Hospitalária de São Lázaro de Jerusalém retoma Boigny. Luís XVIII, Rei da França e Grão Mestre da Ordem, esforça-se para espalhar novamente o Lazarismo pelo Reino. Após a morte de Luís XVIII, seu irmão o Rei Carlos X torna-se o Protetor da Ordem, porém prefere não Eleger outro Grão Mestre, e entrega a Administração da Ordem para o Conselho dos Cavaleiros, liderados por um Vigário Geral. 

Com o golpe de estado de Luís Philippe d'Orleans, o mesmo que durante a revolução votou pela morte do Rei Luís XVI, Henrique V, Rei da França vai para o exílio. O "novo rei" Luís Philippe (que vale-se lembrar foi 'Rei dos Franceses' e não Rei da França) esforçou-se ao máximo para extinguir a Ordem Militar e Hospitalar de São Lázaro de Jerusalém. Para evitar isso O Marquês de Autichamp, Vigário Geral da Ordem dês de 1824, põe a Ordem abaixo da Proteção dos Patriarcas da Igreja Católica Greco-Melquita, que foram os fundadores da Ordem no século IV. Em 1910, para dar novo impulso a Ordem, restaura a Chancelaria da Ordem junto ao Castelo de Boigny, que volta a ser o Coração da Ordem de São Lázaro.


Castelo de Boigny hoje

Com a Restauração do Grão Magistério sob a Casa de Bourbon, o Duque de Sevilha transfere a Sede Magistral para Madri, Capital do Reino da Espanha.

Por razões de praticidade, a atual Sede do Grão Magistério está na Cidade de Madri, mas isso é de fácil compreensão: Como a Ordem Militar e Hospitalar de São Lázaro de Jerusalém está dês de 1291 sob a proteção da Real Casa da França, e sendo esta a Casa de Bourbon, o último Reino que a tem por Soberana é justamente o Reino da Espanha, e para manter-se abaixo de sua Real Proteção, achou-se mais conveniente manter-se na Capital de seu Reino.


Placa posta em 2007, que concede o título de "Comenda Magistral"

Para todos os efeitos históricos, O Castelo de Boigny mantém-se como a Sede Magistral da Ordem sendo chamado de "Comenda Magistral de Boigny", e seu velho Castelo é Sede da Comenda da Região francesa de Orlenas, além de ser Sede de Armorique, Normandia, Pays de Loire e de Touraine.


O Duque de Sevilha em companhia do Duque e da Duquesa de
Brissac em Boigny

Quem for conhecer a Cidade de Boigny, poderá ver na Igreja Paroquial da cidade, chamada de "Igreja Magistral" o Trono dos Grão Mestres da Ordem Militar e Hospitalar de São Lázaro de Jerusalém. Todos os anos é ralizada uma grande procissão de Cavaleiros da Milícia e do Hospital de São Lázaro, os "Cavaleiros da Cruz Verde" para rever a Sede Magistral de Boigny e para reatar a Ordem de São Lázaro às suas Raízes Históricas.   

Procissão dos Lazarista a Boigny em 2011

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Armas dos Membros da Ordem IX - Equestre


Aos Fiéis Leitores deste Blog de Cavalaria proponho hoje a análise de mais três Cotas d'Armas, apresentadas sob a forma de Armorial Equestre


I As primeiras são minhas próprias Armas


II As segundas são do Príncipe Carlos de Schwarzenberg


III As terceiras são do Marquês de La Lapilla

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Rei-de-Armas


Brasão do Conde Andre Galli della Loggia
com os exteriores de Rei de Armas

A Postagem de hoje, Caros e Fiéis Leitores deste Blog de Cavalaria, diz respeito a três importantes nomeações que este vosso amigo, Conde Andre Galli, recebeu e aceitou nestes últimos dias.


Com o passar do tempo, os pequenos Blogs e sites que dirijo na Rede Mundial de Computadores tornaram-se conhecidos de algumas pessoas envolvidas na Cavalaria, e com isso foram surgindo convites, que, por minha total falta de tempo, fui forçado a recusar.

Nestes últimos dias, porém recebi o convite de meu amigo e Primo Heráldico, o Príncipe de Gavaldá, para ocupar os Cargos de:

REI-DE-ARMAS da Soberana Ordem de Nossa Senhora de Buenos Aires;

REI-DE-ARMAS da Soberana Ordem Dinástica de Santa Maria Mãe de Deus;

MEMBRO HONORÁRIO do Colégio de Consulta Heráldico do Instituto Heráldico de Buenos Aires.

Tenho o prazer de anunciar que ACEITEI a estas importantes nomeações, pois tais Ordens são a mim muito queridas e amadas.

sábado, 14 de janeiro de 2012

A Importância da Casa de Bourbon, Duques de Sevilha

A Importância da Casa de Bourbon,
Duques de Sevilha
Para a Ordem Militar e Hospitalar de São Lázaro de Jerusalém, Acre e Boigny
no Séculos XX e XXI

Brasão d'Armas da Casa de Bourbon-Sevilha
 
A Casa de Bourbon, Duques de Sevilha está intimamente ligada à Restauração do Grão-Magistério da Ordem Militar e Hospitalar de São Lázaro de Jerusalém no início do Século XX, o que a fez voltar  brilhar entre as grandes Ordens de Cavalaria da Cristandade. Quando a Ordem de São Lázaro, guiada até então pelos Vigários Gerais, viu-se na iminência de restaurar no Trono da Ordem um Príncipe-Grão Mestre proveniente da Casa Real da França, a opção pelos Duques de Sevilha era a mais viável e a mais aceita pelos Cavaleiros da Ordem.

A influência que até então o Rei Afonso XIII, da Espanha, Chefe da Casa Real de Bourbon, portanto Rei de Iuri da França, tinha sob a Ordem era muito grande, e foi valiosa para a Eleição de seu primo, o Príncipe Francisco de Bourbon, Duque de Sevilha para o posto de Príncipe-Grão Mestre do Hospital de São Lázaro de Jerusalém.

O Duque de Sevilha tomou interesse pelos assuntos ligados à Ordem no ano de 1925, quando fora Ordenado Cavaleiro Lazarista. Em 1929 aceitou o posto de Grão-Bailio (Grão Prior) da Espanha, assumindo no ano seguinte o posto de Lugar-Tenente do Grão-Magistério.

Como o Chefe da Segunda Linha da Casa de Bourbon-Espanha, o Duque de Sevilha era descendente direto do Rei Luís XIV da França, logo, cumpria as exigências necessárias para obter o Grão Magistério. Pelos Estatutos e Leis medievais da Ordem, qualquer Cavaleiro poderia concorrer ao Grande Magistério, porém essa norma foi relativisanda quando a Ordem fora Unida, à Ordem de Nossa Senhora do Monte Carmelo, na qual somente membros da Nobreza poderiam ocupar o Magistério. Tal visão foi ainda mais reforçada quando, em 1824, após a morte do Grão-Mestre Rei Luís XVIII, o Marquês de Autichamp fora apontado pelo Rei Carlos X para ser o novo Grão Mestre, porém este recusou afirmando que:

"Somente um Príncipe de Sangue da França poderá ocupar dignamente um posto antes ocupado pelos Reis Luís XVI e Luís XVIII"

Doravante esta seria a nova Regra: somente um príncipe francês poderia ser entronizado Príncipe-Grão Mestre da Ordem, e o bom relacionamento entre os Lazaristas e o Rei Afonso XIII, e consequência com seu primo, o Duque de Sevilha foi uma oportunidade ímpar para a Restauração do Grão Magistério.


Dom Francisco de Paula de Bourbon, Duque Consorte de Sevilha

Dessa forma, em 1930 Dom Francisco de Paula de Bourbon, Príncipe de Sangue da França e Duque Consorte de Sevilha foi Eleito o 44o Príncipe e Grão Mestre da Ordem Militar e Hospitalar de São Lázaro de Jerusalém, Acre e Boigny.

O Duque de Sevilha Governou a Ordem até 1952, quando fora então seguido no Grande Magistério por outro membro da Casa de Bourbon-Sevilha, seu filho o Príncipe Dom Francisco Enrique de Bourbon e Bourbon, Eleito o 45o Príncipe-Grão Mestre, a Governando até 1967, quando renunciou.


Dom Francisco Enrique de Bourbon e Bourbon

Novamente Dom Francisco Enrique de Bourbon e Bourbon fora Eleito anos mais tarde, agora como o 47o Príncipe e Grão Mestre, Governando a Ordem entre 1970 até 1995.


Dom Francisco de Paula de Bourbo, V Duque de Sevilha

Em 1995 é Eleito mais um membro da Casa de Bourbon-Sevilha, agora Dom Francisco de Paula de Bourbon, V Duque de Sevilha, que vai Governar à Ordem até o ano de 2008, quando renuncia ao Grande Magistério.


Dom Carlos Gereda de Bourbon, Marquês de Almanzán
No ano de 2008 é Eleito um novo Membro da Casa de Bourbon-Sevilha, Dom Carlos Gereda de Bourbon, Marquês de Almanzán, do Ramo dos Duques de Santa Elena.  

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Almanach de Galli



Fiéis Leitores deste Blog de Cavalaria, a postagem que irei propor hoje a vocês diz respeito justamente aos amantes da Nobreza e da Genealogia.

Gostaria de propor a visita ao Blog do Almanaque de Galli.

Tal Amanaque, por mim editado com postagens diárias, é dedicado tão somente ao estudo das Casas Nobres, não somente das Casas Reais, mas também das Casas que possuíram a Soberania sobre Estados Feudais.

Vale a pena Conferir! 

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

ARMAS DOS MEMBROS DA ORDEM VIII

Aos Fiéis Leitores deste Blog de Cavalaria, proponho hoje os Brasões de mais três membros da Ordem Militar e Hospitalar de São Lázaro de Jerusalém.

O desenho heráldico é do mestre espanhol don Carlos Navarro, Cavaleiro de nossa Ordem, dito por muitos como sendo o maior artista nas Artes da Heráldica atualmente na Espanha.


Armas de Sua Majestade Real o Rei Kigeli V, de Ruanda, Cavaleiro da Grão Cruz de Justiça.


Armas de Sua Alteza Real Zera Jacob Haile Selassie, Chefe da Casa Imperial da Etiópia no Exílio.


Armas de Sua Beatitude o Patriarca da Etiópia, Monsenhor Abuna Paulos, Cavaleiro Grã Cruz Eclesiástica.

O Blog de don Carlos Navarro o já conhecido heraldicahispanica.blogspot.com passou recentemente por uma feliz repaginada que o deixou ainda mais belo. Vale a pena conferir!